quarta-feira, setembro 28, 2016

thumbnail

É preciso acabar com “regalias” de professores para equilibrar contas, diz Ministro da Educação

Após vários meses sem postar nada, hoje resolvi voltar aqui no blog, para deixar, por enquanto apenas deixar, essa publicação feita pelo Ministro da Educação sobre as REGALIAS, que nós professores "temos".

Na próxima postagem volto com minhas colocações. Abaixo segue a publicação na integra do que ele falou.




URGENTE: Ministro da Educação diz:

Desde que assumiu ilegitimamente a presidência da república, Michel Temer mira seus canhões no setor público do país. Não à toa, sua principal medida até aqui é a edição da PEC 241, que limita os gastos nessa área por 20 anos. Isto traz impactos muito negativos para o funcionalismo da União, estados e municípios, que poderá ficar com salários congelados por duas décadas.

Nessa linha de ataques ao setor público, o governo federal começa a fazer dobradinha com prefeitos e governadores no sentido de atingir ainda mais negativamente o pessoal do magistério. Segundo técnicos do MEC, redes estaduais e municipais de educação são gigantes demais e consomem muito dinheiro de estados e municípios. “É preciso enxugar, pois 12 estados cogitam declarar calamidade financeira”, alardeiam no site da Agência Brasil.

Uma das principais saídas em discussão entre Temer e gestores de estados e municípios é o “enxugamento” de supostas regalias dos professores. “Eles têm férias de 45 dias, aposentadoria especial, descanso pedagógico, piso nacional e até lanche grátis”. Que outro trabalhador possui tantas regalias? É preciso enxugar tudo isso ou o país continuará quebrado”, dizem burocratas do MEC.

As representações dos educadores, no entanto, ponderam que o problema é outro. “Temer que enxugar o setor público para fazer caixa e manter com ainda mais privilégios meia dúzia de grandes empresários e banqueiros que financiaram o golpe de Estado contra a presidenta Dilma Rousseff e o povo brasileiro”, declara a professora Ana Beatriz, de Brasília.

Para combater mais arrocho, CUT e CNTE preparam uma greve geral em todo o país. “Temer e aliados devem fazer enxugamento é nos lucros dos ricos que se acham donos do Brasil”, alertam muitos sindicalistas.

quarta-feira, fevereiro 10, 2016

thumbnail

"Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas" Rubem Alves



Nesta segunda-feira, dia 15 de fevereiro iniciaremos mais um ano letivo, e como assim pedi a ocasião sempre desejamos que neste novo momento de aprendizado possamos obter mais conhecimentos e assim também colaborar com nossos alunos em sua aprendizagem lhes permitindo abranger seus horizonte de conhecimentos.

E é com este intuito que inicio essa nova jornada de 2016, que ela possa chegar à nós cheia de possibilidades, grandes conquistas em vários âmbitos de nosso conhecimento, e repleta de gratificantes resultados. 

Que sejamos profissionais melhores, em todos os âmbitos da educação, sendo ele desde as nossas amadas serventes(que nos possibilitam um ambiente limpo) até a equipe gestora que nos orientam no melhor caminho. 

Espero ser neste ano os melhores protagonistas do palco chamado Mundo da Educação, e que com eles, nossos alunos, possamos também aprender e crescer.

Deixo à todos o texto de Rubem Alves: Escolas gaiolas e escolas asas, com o desejo de que sejamos asas. 

Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.

Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo.
Pássaros engaiolados são pássaros sob controle.
Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser.
Pássaros engaiolados sempre têm um dono.
Deixaram de ser pássaros.

Porque a essência dos pássaros é o vôo.


Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados.
O que elas amam são pássaros em vôo.
Existem para dar aos pássaros coragem para voar.
Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros.
O vôo não pode ser ensinado.
Só pode ser encorajado.

Rubem Alves





terça-feira, fevereiro 02, 2016

thumbnail

Comunicação: A Arte do Amor!


Comunicação, a arte de falar um com o outro, dizer o que sentimos e pretendemos, falando com clareza, ouvir o que o outro fala, deixá-lo certo de que estamos ouvindo é, sem sombra de dúvida, a habilidade mais essencial para a criação e a manutenção de um relacionamento amoroso.
A afirmativa é de Leo Buscaglia, professor da Universidade da Califórnia do Sul.
Ele diz que o mais alto nível da comunicação é o não verbal. O que quer dizer: se você ama, mostre isto em atitudes. Faça coisas amorosas para o outro. Seja atencioso. Coloque os seus sentimentos na prática.
Faça aquela comida favorita. Mande flores. Lembre-se dos aniversários. Crie os seus próprios feriados de amor. Não espere pelo dia dos namorados.
E ele relaciona alguns pontos importantes para que uma relação a dois se aprofunde e se agigante, vencendo os dias, os meses e os anos.
Diga sempre ao outro que o ama, através de suas palavras, suas atitudes e seus gestos. Não pense que o seu par já sabe disso. Ele precisa desta afirmação.
Cumprimente sempre o seu amor pelos trabalhos bem-feitos. Não o deprecie. Dê o seu apoio quando ele falhar. Pense que tudo o que ele faz por você, não o faz por obrigação. E estímulo e elogio asseguram que ele vai repetir a dose.
Quando você se sentir solitário, incompreendido, deixe-o saber. Ele se sentirá mais forte por reconhecer que tem forças para confortar você. Lembre que, apesar de amá-lo, o outro ainda não pode ler a sua mente. Não se feche em si mesmo.
Expresse sentimentos e pensamentos de alegria. Eles dão vida ao relacionamento. É maravilhoso celebrar dias comuns, datas pessoais, como o primeiro encontro, o primeiro olhar, o dia da reconciliação depois de um breve desentendimento.
Dê presentes de amor sem motivo. Ouça a sua própria voz a falar de sua felicidade.
Diga ao seu amor que ele é uma pessoa especial. Não deprecie os sentimentos dele. O que ele sente ou vê é sua experiência pessoal, portanto, importante e real.
Abrace sempre. A comunicação de amor não verbal revitaliza a relação.
Respeite o silêncio do seu companheiro. Momentos de quietude também fazem parte das necessidades espirituais de cada um.
Finalmente, deixe que os outros saibam que você valoriza a quem ama, pois é bom partilhar as alegrias de um saudável relacionamento a dois com os amigos.
*   *   *
É possível que você esteja pensando que todas essas recomendações não são realmente necessárias entre pessoas que se amam. Elas acontecem de forma espontânea.
Mas, nem tanto. Nem sempre. São esses vários aspectos da comunicação que constituem o alicerce de um relacionamento amoroso saudável. Eles também produzem os sons mais maravilhosos do mundo. Os sons do amor. Experimente.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. 2,
do livro Amando uns aos outros, de Leo Buscaglia,
ed. Record.
Em 2.2.2016.


terça-feira, outubro 20, 2015

thumbnail

Como deve-se amar.


Todas as segundas, em nosso lar, temos um momento de estudo, e fazemos uma leitura para iniciarmos tal trabalho, e em um desses dias, me deparei com um texto muito interessante que trata sobre o amor, mas de maneira bastante racional, digamos que fala do amor por si próprio para que assim, esse amor chegue ao outro de maneira legitima e verdadeira para ambos.

O titulo do texto é: Amor não correspondido de Lourdes Catherine, onde uma mulher se questiona e questiona a Deus porque seu esposo a está traindo com outra, se ela tem com ele três filhos, lhe cuida e lhe ama muito, lhe é sempre prestativa estando pronta a lhe servir, sendo dócil, e atenciosa, e tal condição a está deixando triste e ultrajada, mas não o abandona por char que lhe deve presença amiga, pois eles têm contas a acertar.

Daí vem à resposta que foi o que mais me encantou. A tamanha sabedoria com a qual Lourdes Catherine tratou tal problemática, nos mostrando o quanto é simples solucionar coisas que nos causam mal estar em nosso dia a dia.

Abaixo vejamos a resposta dada:

Acredita-se que é possível contar nos dedos das mãos as pessoas a quem se ama de forma verdadeira. Causa compaixão quem aceita essa hipótese, pois estará confinado sentimentalmente. O amor incondicional é sempre lúcido e abrangente. Jamais exclusivo ou limitado a apenas uma pessoa. Quando o amor induz os seres ao isolamento já se pode ouvir o vento entoar uma triste canção, prenunciando dias longos e noites melancólicas. Quando, numa relação de amor, não se auxilia o outro a caminhar por si mesmo, conduzindo-o a encontrar seu próprio curso existencial, esse amor, mesmo que pareça tranqüilo, não está de fato estabilizado. O amor verdadeiro é direcionado para a capacidade de guiar o outro ao crescimento pessoal; em outras palavras, para um processo de transformação incessante rumo a um entendimento maior. Quem delimita sua aptidão para amar assemelha-se àfumaça, que a tudo sufoca em seu derredor. Somente depois, quando é dissipada pelo ar, é que se avalia o mal que a asfixia causou. Há almas que vivem relacionamentos fictícios - baseados em uma imagem que retrata o que gostaria que o outro fosse - sem perceberem que estão dando os primeiros passos em direção à ruína afetiva. A separação inicia-se no momento em que um dos parceiros se relaciona com a imagem criada da pessoa idealizada, e não propriamente com a pessoa. De modo geral, essas irrealidades são notadas depois de ter ocorrido o infortúnio amoroso. O que acontece, todavia, quando nos dedicamos a alguém que é infiel conosco? Será que quando amamos incondicionalmente temos que suportar incontáveis deslealdades e permanecer impassíveis? Naturalmente, o amor não conduz à tolice ou à ingenuidade, nem induz a uma alegria artificial e a uma credulidade excessiva. Na dependência só se vêem qualidades, nunca se enxergam os defeitos. Isso a humanidade classifica como “amor cego” ou “paixão”. Jamais você sentiria tão grande solidão e abandono se não vivesse, imprudentemente, dependendo tanto dos outros. O mundo é cheio de pesares e, na área do afeto, a traição é uma das maiores desventuras. Não há nada pior que recordar momentos felizes em 48 tempos de dor. Quando tudo é desventura, aparece a verdade. Ela pode machucar, mas, em qualquer tempo, será bem-vinda. Assemelha-se a um remédio amargo, porém salutar. Vale lembrar: para que exista um relacionamento de fato, é necessário que ambos o desejem. Apesar da desonestidade, é possível perdoar a quem traiu, pois o amor real não coloca limites à indulgência. No entanto, você precisa perguntar-se: o que devo fazer para harmonizar o amor por meu marido sem perder meu auto-respeito? Por certo a vida a dois não é nenhum mar de rosas, e seria bom levar como lembrete que, em se tratando de relacionamentos afetivos, nunca há respostas genéricas ou semelhantes para um amor não correspondido. “Será que posso continuar confiando nele de forma plena, depois do ocorrido? Afinal, o que está me movendo internamente? Amor real, apatia ou fraqueza?” O amor não contabiliza as fragilidades do outro, mas, com toda a certeza, não é abusivo. Por princípio íntimo, não se deve viver de autopiedade. Diante dessa circunstância, o que de melhor se poderia dizer a esse alguém é que decida: “ou continua junto de você, sinceramente; ou longe, se quer permanecer na infidelidade”. Os vínculos entre as pessoas podem ser estabelecidos por amor ou por obrigação. No amor, há ternura, imensa confiança e devoção, e isso por si só basta. Na obrigação, nascem as desavenças e recriminações, que dilaceram a alma. Quem se obriga nas questões do amor vive em constante busca de razões ideológicas ou de justificativas filosóficas. O que é o carma senão respostas da vida a seus atos e atitudes. Não existe fatalidade, uma vez que Deus dá o livre-arbítrio a todas as suas criaturas. Você é livre para escolher - não apenas antes do nascimento corporal, mas igualmente aqui e agora - o que fará de sua existência. Rosas amarelas significam infidelidade. A procedência dessa lenda remonta à época do profeta Maomé. Ele desconfiou que sua esposa Aisha lhe era infiel. Foi orientado, entretanto, por um arcanjo para que, quando ela o recebesse com rosas vermelhas, ele ordenasse que fossem jogadas no rio. Se as flores mudassem de cor, suas suspeitas teriam fundamento. E estas se confirmaram: as rosas transformaram-se em amarelas. Vale esperar os terremotos do coração se acalmarem para você refletir melhor e, logo após, abrir as vidraças da alma e deixar o aroma do bom senso entrar. O diálogo será sempre oportuno entre o casal, desde que não se converta em cobranças e insanas suscetibilidades; antes se alicerce na lealdade e honestidade e concorra para que os dois permaneçam unidos e equilibrados. Para cada pessoa sempre existe um momento de decisão, e ela o saberá quando ele chegar. Quando você já tiver feito tudo o que estava a seu alcance, então deverá ficar ou partir. Não se deve esperar dos outros aquilo que unicamente você mesmo pode se dar.

sexta-feira, outubro 16, 2015

thumbnail

Comunicado!!!


Olá!

Estava eu pensando no abandono tamanho que deixei o meu cantinho pessoal, e mesmo em meio às correrias do dia-a-dia resolvi que irei me reorganizar para voltar a fazer minhas postagens com uma frequência maior e para isso decidir, espero consegui cumprir, fazer postagens ao menos duas vezes na semana, ainda não irei fixar dias, pois ser dona de casa, professora, doceira e mulher, junto com a ousadia de ser blogueira, fixar dias seria arriscado demais rsrs.

Mas como esse momento de blogueira onde paro aqui neste cantinho para escrever o que estou pensando ou sentindo, também me faz muito bem, não vejo mais condição de ficar sem fazê-lo.

Nos últimos meses tive muito que escrever, mas justamente por serem acontecimentos que envolveram muito a Emilia intimamente, não quis expor-me com tamanha nudez, então esperei acalmar meu espirito ao ponto de poder falar, ou melhor, escrever, sem exageros do emocional.

Estou sentindo a algumas semanas que algo vai acontecer, e mesmo sendo uma sensação leve, ainda assim me preocupa se é que essa è a palavra certa, pois as coisas boas e alegres também custam grandes responsabilidades e desprendimento.

Bem, por hoje era apenas isso que queria trazer a vocês, prometendo que a partir de domingo, quando se inicia a semana, passei a me policiar mais nas minhas postagens, e espero que gostem, pois estarei fazendo-as com grande afeto para nós.


Xero, ótima noite a todos vocês!

segunda-feira, setembro 28, 2015

thumbnail

Para reflexão!

Não sou mãe, e ainda não tenho sobre mim a responsabilidade de educar ninguém, mas o momento espírita de hoje me chamou bastante atenção, pois quando nós não estamos participando diretamente desse tipo de ação conseguimos ver melhor alguns pontos negativos e algumas deficiências graves. Sendo assim, peço à vocês que são pais, mães ou responsáveis pela educação de pequenos seres, leiam com atenção o texto abaixo, pois á vós será de grande valia. 



Os pais como jardineiros

Com efeito, no planeta do principezinho havia, como em todos os outros planetas, ervas boas e más. Por conseguinte, sementes boas, de ervas boas; sementes más, de ervas más.
Mas as sementes são invisíveis. Elas dormem no segredo da terra até que uma cisme de despertar.
Então ela espreguiça, e lança timidamente para o sol um inofensivo galhinho.
Se é de roseira ou rabanete, podemos deixar que cresça à vontade. Mas quando se trata de uma planta ruim, é preciso arrancar logo, mal a tenhamos conhecido.
*   *   *
Podemos ler nas palavras do inspirado Saint-Exupéry uma síntese sobre a educação.
Como pais somos jardineiros, e quanto mais atentos e dedicados formos, mais belo poderá ser nosso jardim.
Nossos rebentos trazem sementes invisíveis, plantadas em outras eras – são suas tendências. Estão debaixo da terra. Ninguém sabe o que são e quando irão se manifestar.
Não são terra virgem. Somente um olhar apressado e desatento julga dessa forma.
E quando essas primeiras tendências despontam, só o jardineiro alerta, que cuida da planta diariamente, consegue perceber.
Há cultivadores que só vão notar suas plantas depois de crescidas, quando os galhos já estão fortes, quando a poda do que não é bom já é muito mais difícil.
Não só isso. Perdem também o prazer de vê-las em todas suas fases de desenvolvimento, com suas peculiaridades e belezas.
Porém, quem está ali, com os olhos na terra, percebe logo, e se não for coisa boa, como roseira ou rabanete, trata logo de podar.
Isso significa que as tendências negativas, quando são observadas e trabalhadas desde cedo, têm mais chances de serem modificadas. O trabalho é árduo, mas quanto mais cedo começar, mais amplas as possibilidades de sucesso.
Por que você está agindo assim, meu filho?
Você tem ideia de como o outro está se sentindo com o que você fez?
Não é melhor dividir? Você está com raiva? Vamos conversar sobre ela?
Podar, na linguagem aqui utilizada, não significa abafar sentimentos negativos, ou proibir as crianças e jovens de sentirem isso ou aquilo. Não, isso só agrava a questão.
A poda aqui é um aparar cuidadoso, um enfrentamento dos conteúdos íntimos que se faz abertamente, inclusivepor vezes, com auxílio de profissionais da área, dependendo do caso.
Recriminar ou proibir, simplesmente, esse ou aquele sentimento ou comportamento, sem trabalhá-los, sem procurar entender suas matrizes nas crianças, traz prejuízos enormes, como recalques e frustrações.
O horticultor atencioso celebra a chegada das plantas boas e trata de regá-las, iluminá-las, dar-lhes boas condições para que cresçam com vigor.
Bons pais reforçam os comportamentos positivos de seus filhos e não apenas corrigem e punem o tempo todo.
Parabéns pelo seu esforço! Você mereceu esta vitória! É mérito seu.Gostei muito desta sua atitude! Faça isso sempre! Você agiu corretamente nesta situação. Estou muito feliz!
É um trabalho diário, é um cuidado minucioso com cada filho, atendendo cada planta em sua necessidade específica, pois esta planta tem certas características e aquela tem outras. É uma verdadeira arte.
Por isso, como pais, não descuidemos deles. Se assumimos esta missão tão importante, sejamos os melhores jardineiros possíveis dentro das nossas possibilidades e limitações.

Redação do Momento Espírita, com base em texto do livro: 
O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry, ed. Agir. 
Em 28.9.2015


sexta-feira, setembro 25, 2015

thumbnail

Primavera por Cecília Meireles


Hoje, na correria do dia a dia, na perca, mesmo que não intencional, de algumas sensibilidades que tinha, não acompanho mais as trocas das estações. 

Eu costumava saber quando uma começava e a outra terminava, era gostoso tentar identificar suas diferenças sutis e específicas, mas como diz a musica de Cazuza - Poemas "... De repente, a gente vê que perdeu, Ou está perdendo alguma coisa, Morna e ingênua que vai ficando no caminho"... Acho que é assim que estou fazendo com coisas importantes, onde deveria fazer com aquelas que não importam, mas isso são palavras para outra postagem rsrs.

E lendo esse texto, acabei me lembrando de que preciso voltar a fazer essas coisas pequenas, mas que tornam nossa existência mais bela, viva e gostosa, já que somos seres emprestados neste grande e pequeno espaço chamado terra.


Contudo, vou parar de devagar, pois o momento agora é da PRIMAVEIRA, e vamos a ela.

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.


segunda-feira, agosto 10, 2015

thumbnail

Parabéns!!! Muito Obrigada.

Deixei para falar sobre meu Pai, só agora no fim do dia dos “PAIS”, inicio de um dia comum, porque Ele, meu Pai, é tão constantemente importante que nenhum dia seria tão importante como Ele.

Sabe aquele ser que Deus colocou na terra com uma missão e que a concluiu com a maior perfeição possível? Pois é. Este é meu Pai.

Um homem com o qual sinto orgulho de ter podido aprender muito e ainda aprendo, a cada novo dia, a me melhorar. O homem que sempre, e a qualquer preço me ama, me respeita, me aceita e me entende, mesmo eu estando coberta de equívocos.

Chegar triste perto dele, se não for para falar a verdade, é melhor nem chegar, pois ele percebe algo estranho comigo estando a longas distancias, e dizer que Você meu Pai tinha razão em muitas coisas que me alertou, e imprescindível. Mas como você mesmo falou: Eu só iria aprender se eu passasse por elas, já que queria fazê-lo, porém nunca esquecesse que os tenho e terei sempre. E eu não esqueci!

Além dos dias dos pais, em 09 de agosto, é comemorado também os 34 anos de casados de painho e mainha, 34 anos, de amor, cumplicidade, cuidados, ensinamentos, amizade, paixão, caridade e fé. Qualidades que sustentaram e sustentam minha família por tantos anos.
Certa vez alguém me falou que eu era muito mimada, e tinha meus pais como heróis, na hora o pais heróis me alegrou, é a pura verdade, mas o mimada me irritou, contudo, depois me fez sentir muito orgulho. Fui e sou muito mimada mesmo. E tenho orgulho disso, não só mimada, por mimos de menina birrenta ou cheia de querer, mas fui mimada com carinhos, afetos, amor, cuidados e muitos princípios sobre o que é certo e o que é errado, e assim pude fazer a maior parte das escolhas certas de minha vida.

E a todas essas escolhas corretas, devo a eles, especialmente a eles, que me repreenderam na hora certa, que foram vigilantes para minhas falhas, que foram amorosos nos meus medos, que se comportaram sempre como pais, com exageros ou não, fizeram o melhor, querendo o melhor e dando de si sempre o melhor, tanto para mim, quanto para meu irmão.

Quero pedi a Deus, nosso Pai Maior, para dar-me ao menos metade da sabedoria, atenção, cuidado e principalmente paciência para educar um filho meu, se eu for merecedora dessa graça, como eles tiveram com meu irmão e comigo. E se não for pedi demais quero que eles nos ajudem nessa grande e tão impar missão.

Neste domingo não foi apenas o dia dos Pais, foi também a confirmação do amor, que se iniciou há 34 anos, e que a cada novo amanhecer recebe uma dose grande de nutrição, fé e força.

Meus pais, eu tenho grandes defeitos, que não veem de culpas suas, mas sim de minha condição de ser humano com livre arbítrio, e esses defeitos me faz ama-los mais e mais a cada amanhecer e a cada anoitecer, e ter orgulho e tê-los como meus pais, sou muito grata a Deus, por ter dado a mim um presente tão rico e caro que são vocês, e toda essa minha família, que mesmo não estando colados, nunca se faz ausentes quando eu mais preciso.


Grande beijo e imensa gratidão de sua filha mimada e feliz por tê-los, Emilia Eunice dos Santos, AMO VOCÊS! 


domingo, maio 03, 2015

thumbnail

Amor Interrompido


Em meio ao preparo de um lanche para aquela tarde, três gereções de mulheres conversam sobre as historias que envolveram suas infâncias, nesse momento surge vindo da lembrança da avó, uma história que sua mãe lhe contou quando ela ainda era uma menina. 

Era a historia do amor interrompido entre uma jovem e um padre. 

Segundo a vozinha, em um povoado pequeno, que vivia do que plantava e era protegido por uma pequena igrejinha, morava uma jovem e bela camponesa, que era cuidada pela tia, a qual morreu perto da jovem completar idade maior.

Sem nenhuma família a jovem passou a viver sozinha na casa pequena e já acostumada a fazer alguns serviços na igreja que frequentava continuou com os cuidados daquele lugar, até que uma dia percebeu que estava apaixonada pelo religiosos do vilarejo.


Ele um homem bom e atencioso, era amado e respeitado pelos moradores do lugar, também era dono de muitos bens que para ele não importavam em nada, mas para seu irmão eram coisas de muito valor. Ele, seu irmão, era um jovem não muito bonito, autoritário e muito ambicioso, tratava mal as pessoas do vilarejo, mas na frente de seu irmão transformava-se em um doce de pessoa.

Em um dia de festa no povoado, a moça e o padre estando mais próximos para fazer a organização da mesma, passaram alguns dias juntos até que o padre se viu também apaixonado por ela. Na festa, durante a missa, eles se olharam e pela primeira vez aceitaram que se amavam.

Assim, durante a noite, a jovem sem ser vista entra na igreja e vai ao encontro de seu amor. Na salinha pequena da igreja o abraça e o beija, o padre lhe retribui o jesto de maneira  apaixonada, e ali eles se amam. Sem ser vista, a jovem volta a seu casebre feliz, e também preocupada, ninguém poderia saber do que havia acontecido, o padre sabia que tinha encontrado o amor de sua vida, mas também  não podia deixar as pessoas daquele povoado sem nenhuma proteção e decide manter as duas vidas.

Como homem, amava perdidamente aquela jovem, e como religioso, queria continuar cuidando com afeto de seu rebanho que tanto amava. O tempo passou e a jovem descobre que esta esperando um filho, conta de sua descoberta, a seu amor e muito feliz, o padre fica também preocupado, não podia deixá-la sozinha e distante dele em situação que merecia grandes cuidados, então trouxe-a para morar em uma casinha próxima da igreja, dizendo à todos que ela tinha um filho em seu ventre e por ser só, ele tinha por obrigação ajudá-la.

Tudo corria bem, até que o irmão do padre descobre toda a verdade e logo imagina que se a criança vivesse seria dona de todos os bens que, até o momento eram dele, daí ele decidi que a criança nasceria, mas que não viveria.

Numa noite tranquila, o menino veio ao mundo. Forte, mesmo pequeno, queimadinho da cor da mãe e com a vida nos olhos. Seus pais sem ter como esconder a felicidade quase confessam o que de verdade estava acontecendo. O padre, cheio de cuidados, leva mãe e o filho para sua casa e lá com ajuda de uma senhora do vilarejo cuida dos dois. 

Na madrugada daquela noite, todos muito cansados pelos acontecimentos dormem profundamente, e sem ser visto, como um rato traiçoeiro, o tio do pequeno bebê o sufuca sem que ninguém perceba. Na manhã seguinte, o que era felicidade se transformou em tristeza mortal, a jovem, se culpando por não ter ajudado o filho, o pai com o coração rasgado de dor sem nem imaginar o que aconteceu, chora aos pés do corpinho sem vida. 

Os dias passam e pouco a pouco a jovem vai enfraquecendo e morrendo devagar até que seu corpo perde a alma. O  padre continua sua vida como se fosse um morto vivo até que não aguenta mais e morre.

Depois dessa historia tão triste contada pela avó, a neta lhe pergunta, como sua mãe soube disso tudo? E ela responde que sua mãe lhe disse que as almas guardam as historias das vidas e para agente saber como caminhar é só observar por onde agente já passou.


Elas então, continuaram as atividades daquela tarde alegre e partem para novas histórias....

Ótimo início de semana à todos!
Xero!